Project46: metal moderno, competente e corajoso

project46

Faz algum tempo que o produtor musical Jack Endino, mais conhecido no Brasil por ter trabalhado com Nirvana e Titãs, criou uma polêmica sobre bandas brasileiras que cantam em inglês. “Eu nunca consigo entender uma palavra!”, ele disse
, enfatizando as dificuldades de pronúncia e concluindo que o uso da chamada língua do mundo globalizado não garante sucesso fora do país e ainda fecha portas para o êxito nacional. Como se podia esperar, a declaração dividiu opiniões nas redes sociais.

Os paulistanos do Project46 parecem ter a mesma opinião de Endino, ao menos quanto a considerar ilusória a ideia da língua estrangeira como passaporte para o sucesso internacional. Depois do EP If You Want Your Survival Sign Wake up Tomorrow (2009), com quatro canções em inglês, eles decidiram apostar no idioma materno em seus dois álbuns de longa duração lançados até o momento, Doa a Quem Doer (2011) e Seja Feita a Nossa Vontade (2014). A escolha tem se mostrado a melhor conforme o quinteto se expande no circuito, a ponto de tocar em festivais como o Maquinaria (Chile), o Monsters of Rock (Brasil) e o Rock in Rio.

As letras são agressivas, questionam o cenário político, a atuação da grande mídia, as relações de trabalho e as atitudes individuais. Um exemplo é este trecho de “Caos Renomeado”, a primeira faixa do segundo disco: “A verdade é nua e crua, mas ninguém vê/ E o ibope só aumenta quando a merda já tá na TV/ E quem edita?/ Quem inventa as verdades que o povo não vê?/ E quem são eles? Quem representam?/ Somos todos escravos do quê?”. E não há como não lembrar o episódio em que a música “Se Quiser”, do disco anterior, foi boicotada em um programa global e absurdamente trocada por outra de mesmo nome, aquela da cantora Tânia Mara (!).

A verdade é que uma banda como o Project46 incomoda, pois encara quase tudo o que se coloca como padrão na música deste país. Se não cabe na maior emissora de TV, é porque diz verdades que ameaçam o reino da superficialidade. A sonoridade, inspirada em Lamb of God, Chimaira, Soilwork, Hatebreed, Slipknot e outros, também não atende às velhas e persistentes exigências comerciais. É um metal eclético, mas focado em influências mais atuais, turbinado por doses de hardcore.

Atração do Feira Noise – O Project46 já é nome certo no Feira Noise 2015, com show marcado para o dia 28/11. Caio MacBeserra (voz), Jean Patton (guitarra), Vinicius Castellari (guitarra), Rafael Yamada (baixo e voz), Henrique Pucci (bateria) estarão em Feira de Santana pela primeira vez, mostrando toda a fúria de seu repertório. Não deixe de conferir.

Por Ana Clara Teixeira

Comments

comments

Deixe uma resposta