Página 1
BECO-NOISE
Padrão

Entrevista com Elsimar Pondé


Por Ana Clara Teixeira

O Feira Coletivo e o Movimento “O Beco É Nosso” estão juntos no Feira Noise 2015. No dia 15/11, o Beco da Energia vai servir de palco para o festival, recebendo atrações artísticas das mais variadas. O momento promete ser uma celebração da cultura independente, daqueles que se arriscam na arte mesmo com a ausência de incentivos por parte do poder público.

O jornalista Elsimar Pondé é uma espécie de elo entre as partes envolvidas na organização, pois atua em ambas. Nesta entrevista, ele conta sobre as origens da ocupação artística do Beco, a ideia de incluir o espaço na pauta do maior festival de artes integradas do interior da Bahia e, é claro, sobre toda a expectativa em torno do evento.

De que maneira você define “O Beco É Nosso”? Qual é o principal objetivo do movimento?

O objetivo principal do movimento é revitalizar e ressignificar, através da arte, uma área histórica localizada no coração do centro comercial de Feira de Santana e que estava praticamente abandonada pelos poderes públicos havia anos.

Na minha compreensão podemos definir “O Beco é Nosso” como uma ação coletiva, que tem se consolidado a partir do voluntarismo de artistas e ativistas culturais que entendem que os espaços públicos devem ser ocupados e que é necessário e perfeitamente possível oferecer atividades e formação cultural as comunidades em geral.

Quando e como surgiu essa ideia de resgatar o Beco da Energia e transformá-lo em um espaço de arte?

A ideia de transformar o Beco é do artista visual, tatuador e músico Márcio Punk. Um cara sensível, que conhece a região muito bem, principalmente pelo fato do estúdio dele ficar bem perto do Beco da Energia, na rua Marechal Deodoro. Ele sabia da situação de desprezo enfrentada pelas moradoras do lugar. Algumas pessoas vivem no espaço há mais de 40 anos.

Com muita competência, Márcio conseguiu articular ativistas, produtores e artistas, as ações chamaram a atenção da imprensa e do poder público e algumas melhorias já são percebidas no local, como por exemplo, uma melhor iluminação, com a reposição de lâmpadas que estavam queimadas, a limpeza periódica. Inclusive, teremos uma grande ação no próximo dia 18, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social.

Também instalamos no local uma espécie de biblioteca comunitária, que intitulamos de “Geladeirotecas”. Os livros ficam dentro de geladeiras que estavam sem uso e a as pessoas tem acesso livre 24 horas por dia.

Não posso deixar de destacar que economicamente tem sido muito interessante para as moradoras, já que os bares instalados no Beco comercializam bastante nos dias de intervenção.

As intervenções no Beco têm atraído a participação de poetas, artistas plásticos, músicos… Enfim, gente que se dedica a vários segmentos da arte. A união desses artistas tem se dado por quais concepções de produção, recepção e acesso?

A concepção principal diz respeito ao entendimento de que é necessário ocupar os espaços públicos, transformá-los e ressignificá-los e, neste caso específico, possibilitar a comunidade que ali reside e trabalha a oportunidade de ter acesso a variadas manifestações culturais e artísticas.

Existe um coletivo que propõe, organiza e executa as atividades quinzenalmente, sempre em acordo com as moradoras do Beco. Agora tivemos um projeto aprovado no edital de Agitação Cultural, do governo da Bahia, e a partir de 2016 teremos condições de ampliar as ações, contemplando mais de 50 artistas da cidade e região. Eles farão apresentações e também vão realizar oficinas, workhshops, exposições, entre outros trabalhos.

A articulação entre o Movimento “O Beco É Nosso” e o Feira Coletivo já era esperada, pelas visões e atuações semelhantes no âmbito da cultura. Como foi planejada essa parceria para o Feira Noise 2015?

Foi muito simples. A ideia de levar o Feira Noise para o Beco se deu desde o início do movimento, em julho passado, quando membros do Feira Coletivo participaram das reuniões de articulação do movimento e das intervenções também. Depois disso, apenas dialogamos sobre como e quando fazer.

A decisão de levar shows de música, apresentações de dança, exposições de fotografias e recital de cordel reafirmar o caráter do Festival, de integração das artes, e corrobora com o trabalho que tem sido promovido pelo movimento “O Beco é Nosso”, que também se propõe a abarcar múltiplas linguagens artísticas.

Finalmente, o que o público pode esperar do Beco Noise? De Suinga a Macgyver MC, além de outros tipos de atrações, parece ser o dia mais eclético do festival.

Sem qualquer dúvida será o momento mais eclético do Festival e também das próprias intervenções no Beco da Energia, em geral. A intenção é atender aos mais diversos públicos.
As pessoas podem esperar ótimos espetáculos de dança e música, exposições fotográficas muitíssimo interessantes, além do recital de cordel com Kitute. Será um dia muito rico e diverso.

Confira a programação do #BecoNoise

11219057_985573581498703_5995944683358145722_n

Padrão

Feira Noise recebe bandas veteranas da capital

Por Ana Clara Teixeira
Retrofoguetes 2015_2 (Foto por Ricardo Prado)

Um dos traços que o Feira Noise faz questão de manter em todas as edições é a presença de muitas atrações musicais da Bahia, tanto da capital quanto do interior, escolhidas por quem conhece e faz parte da cena. Em 2015, a seleção feita propõe um equilíbrio quantitativo entre nomes ainda pouco conhecidos e outros já consagrados. As bandas soteropolitanas Retrofoguetes e Cascadura, ambas de longas trajetórias, são os carros-chefe deste segundo grupo.

Os Retrofoguetes, que se apresentam no festival no dia 27, existem oficialmente desde 2002, quando remanescentes da formidável The Dead Billies decidiram fundar uma banda instrumental. As influências não saíram do perímetro do rock dos anos 50 e 60, mas o psychobilly outrora predominante foi perdendo espaço para um som calcado na surf music. No primeiro disco, Ativar Retrofoguetes! (2003), esse som é incrementado pelo rockabilly, resquícios de psychobilly e uma influência aguda da cultura pop. Em Chachachá (2009), o segundo lançamento, outras influências ficam mais à mostra do que no debut, como a música latina e o jazz.

Os trabalhos de estúdio trouxeram reconhecimento nacional e internacional. Os Retrofoguetes têm no currículo participações em eventos de grande importância, entre eles o Festival de Verão de Salvador, o Abril pro Rock, o Coquetel Molotov e o DoSol. As canções mereceram a atenção da MTV, da Rolling Stone Brasil, do circuito argentino de shows independentes e da Rádio BBC.

11129473_936223013075951_261771119_o

A banda Cascadura, fundada em 1992, é outra que não ficou somente no destaque regional. Seus cinco discos (#1 – 1997; Entre! – 1999; Vivendo em Grande Estilo – 2004; Bogary – 2006; e Aleluia – 2012) vão de uma ponta a outra da história do rock, entre os clássicos das primeiras décadas e os alternativos das duas décadas mais recentes. O talento do vocalista e guitarrista Fábio Cascadura, o responsável pelas composições, se demonstra também em parcerias com outros artistas, como Pitty, Nando Reis e os paulistanos da Tomada.

Este ano, depois de prêmios, turnês, festivais, o documentário Efeito Bogary (2009) e todo um legado construído para o rock independente da Bahia e do Brasil, a Cascadura anunciou o fim das atividades. O show no Feira Noise, confirmado para o dia 28, deve marcar sua última passagem por Feira de Santana. É a chance do público local de ver e rever uma banda que já está destinada a virar lenda.

Clara Valente 09 B
Padrão

CLARA VALENTE PELA PRIMEIRA VEZ EM FEIRA DE SANTANA

Clara Valente 09 B

A carioca Clara Valente está confirmadíssima no ‪#‎FeiraNoise2015‬. A cantora iniciou em janeiro desse ano a turnê de lançamento do disco “Mil Coisas”, seu mais novo trabalho que será apresentado para Feira de Santana no nosso festival. O repertório autoral de “Mil Coisas” é uma performance musical vibrante, contemporânea e eclética, que vai do afrobeat ao tango, explorando referências nordestinas e eletrônicas. Clara faz ainda releituras e une canções do repertório da MBP como “Feminina” (Joyce Moreno) e “O Último Dia” (Paulinho Moska) e músicas como “Breakfast in America” (Supertramp) e “Stand Up” (Hindi Zahra) em total sintonia com o momento da música popular global.

 

 

Padrão

Feira Camelô 2.0 Feira Noise Festival 2014 – Selecionados

A comissão gestora da Feira Camelô 2.0, a ser realizada no Feira Noise Festival 2014 entre os dias 28 e 30 de novembro, informa a lista de selecionados para esta edição, visto que o número de inscritos ultrapassou o número de vagas.
Prezando pelos critérios descritos no Regulamento, os empreendimentos selecionados são:

APIMENTÁRIO
ASSOCIAÇÃO DE HIP HOP DE FEIRA DE SANTANA – H2f
BANANA MEC NICA
BATOM VERMELHO
BLUEBERRY BOMB
BOYRÁ TEIAS
BRECHÓ BIXO GRILO
CHACARTES
COOPERATIVA CACTUS

Convidamos os selecionados para reunião de apresentação da proposta da Feira Camelô 2.0. Além disso, a intenção é construir colaborativamente o formato da Feira, bem como pensar em ações que movimentem o espaço. Data, local e hora da reunião serão informados via email indicado na ficha de inscrição do selecionado.

IMPORTANTE: Aquele que não comparecer à reunião sem prévia justificativa terá a inscrição indeferida, liberando vaga para outro inscrito.
Em caso de dúvidas ou não recebimento da confirmação, favor entrar em contato: banquinha@feiracoletivo.com.br

10506704_791793274210069_1569177851171382758_o
Padrão

Monte sua banquinha no Camelô 2.0

10736016_10203023642893365_1264583865_n

Sertão que se preze tem feira sim senhor, mas o nosso, urbano que é, tem Camelô 2.0. Uma das atrações do Feira Noise 2014, A Feira e é uma grande oportunidade de exposição e comercialização para produtores independentes e vai acontecer entre os dias 28 e 30 de novembro.

Poderão participar empreendimentos de produção coletiva, autogestionária e solidária dos segmentos de: cultura; artesanato; confecção; que ofereçam produtos ou prestação de serviços de qualidade com diversidade e respeito ao meio ambiente. Além da adequação nessas características, a seleção será baseada nos seguintes critérios:

  1. Ordem de inscrição;
  2. Diversidade de oferta de produtos e serviços;
  3. Participação na reunião de organização do setor de exposição do Feira Noise Festival 2014.

As inscrições vão até o dia 30 de outubro, os interessados devem ler atentamente o regulamento disponível aqui e preencher o formulário disponível neste link: http://bit.ly/formcamelo

A lista de selecionados será divulgada dia 03 de novembro.

Dúvida? Manda e-mail pra gente: banquinha@feiracoletivo.com.br

 

feiranoise2014imgtnb-543ffed585ec2
Padrão

Estão abertas as inscrições de bandas no Feira Noise 2014

FEIRANOISE-2014inscrições (1)

As bandas e artistas solo interessados em tocar no Feira Noise Festival têm até o dia 23 de outubro para participar da seleção. O festival este ano  vai acontecer entre os dias 27 e 30 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim. Estarão aptos a participar bandas ou artistas solo de qualquer estilo musical, desde que tenham composições autorais.

Inscrições: http://tnb.art.br/oportunidades/feira-noise-festival-2014/

 

Fervura Feira Noise
Padrão

Fervura Feira Noise esquenta a cidade com show de Wado

Fervura Feira Noise

O Fervura Feira Noise é o aquecimento musical do Feira Coletivo para o seu festival anual de artes integradas. Para esta edição do Fervura, Feira de Santana vai receber Wado, um dos grandes da nova MPB. A noite vai contar ainda com as bandas OS2, Bando Catavento e Sanitário Sexy. O evento vai ser neste sábado (20/05), no Antiquário Pub, a partir das 21h.
Apresentações na França e na Alemanha, parcerias com Marcelo Camelo e Zeca Baleiro, premiações e diversos outros marcos compõem a carreira de Wado. Entre um trabalho solo e outro, fez parte do grupo Fino Coletivo e agora lança o “Vazio Tropical”, seu sétimo álbum solo.
A cena local vai ser representada pelos grupos OS2 e Bando Catavento. A banda OS2 voltou aos palcos em 2012 e avisa que veio pra ficar. O quarteto faz um som que passeia entre o rock’n’roll e o ska com grande dedicação ao trabalho autoral. Já o Bando Catavento traz em seu repertório composições próprias em ritmo de rock rural e interpretações de sucessos de Zé Ramalho, Alceu Valença, Sá Rodrix & Guarabyra, Raul Seixas e outros nomes da música nordestina.
Direto do Vale do São Francisco (Juazeiro-BA/Petrolina-PE), a Sanitário Sexy completa a grade com seu rock descontraído. A banda vem pronta para comemorar o lançamento do single “Você Pode Me Divertir”, uma prévia do primeiro álbum que está por vir.

Clique aqui e confirme presença!

Serviço

O quê: Fervura Feira Noise
Quando: 20/09 | 21h
Onde: Antiquário Pub – Rua General Mendes Pereira, 202, Ponto Central
Quanto: Ingressos antecipados – R$ 20 | Ponto de venda: Aqi Ingressos (Boulevard Shopping)

534021_4621495146601_1729988433_n
Padrão

Confete, Serpentina e Sorvete de Cajá

534021_4621495146601_1729988433_n

    O Feira Coletivo vai entrar no clima de festa que invade a cidade durante o mês de abril, trazendo música boa, animada e independente. É o Folia Feira Noise, dia 13/04, às 21h, no Botekim, com as bandas Suinga, Quarteto de Cinco e a Roça Sound. E pra brincadeira ficar ainda mais divertida, a galera pode soltar a criatividade pra improvisar ou tirar aquele chapéu de pirata do armário porque a festa vai ser à fantasia.
Folia de verdade tem que ter animação, e disso a Suinga entende. O grupo soteropolitano já é conhecido do público feirense e sempre coloca a o povo pra dançar ao som de sua surpreendente mistura de axé, fricote, samba-reggae arrematada por uma atitude rock’n’roll. E por falar no bom e velho, ele também vem pra festa de carona nos acordes da Quarteto de Cinco, que voltou com tudo no final do ano passado lançando o EP “Recompensa”. As honras da casa ficam por conta da Roça Sound, a pancada sonora feirense que coloca o marasmo na lona com vários rounds de ragga, dancehall e dub, vai encarar?
Claro que vai! Quem também convida é a nossa Banquinha, que vai estar lá com seus produtos de artistas independentes com sotaques dos quatro cantos do país. O Folia é a primeira chamada pro Feira Noise, festival de arte integrada promovido anualmente pelo Feira Coletivo.

Serviço:
O quê: Folia Feira Noise
Quando: 13/04 | 21h
Onde: Botekim – Av. Joao Durval Carneiro 2963 – Ponto Central
Quanto: R$ 10 foliões fantasiados | R$ 15 foliões sem fantasia (ingressos na portaria do evento)
Facebook: http://bit.ly/FoliaFeiraNoise

 

430662_461567757228850_32528261_n
Padrão

Neste sábado tem Ressaca Feira Noise

O Feira Noise 2012 foi lindo e para celebrar o sucesso do evento, o Feira Coletivo não poderia escolher outra forma que não fosse com música de qualidade, por isso, no próximo dia 10/11 (sábado), acontece a Ressaca Feira Noise, a partir das 21h30, no Botekim. Os artistas convidados são o Duo Finlandia (Argentina) e nana (SSA), a nossa Banquinha também vai estar lá com produtos de artistas independentes de todo Brasil.

Composto por um argentino e um brasileiro, o Duo Finlandia mistura ritmos tradicionais da América do Sul com foco nos países de origem: Brasil e Argentina. Um acordeão, violoncelo, piano e elementos eletrônicos são as ferramentas para esta viagem sonora elogiada pela imprensa internacional. Em dois anos de projeto, já possui 3 discos lançados – Nandhara, Extensión e Carnavales – com tours por 17 países da América Latina e Europa. No final de 2011, recebeu o prêmio Hangar de melhor grupo instrumental de 2011 e em 2012 foi selecionado pela OI Novo Som como um dos 30 melhores artistas emergentes do Brasil.

Além de cantora e musicista, nana (a moça prefere que escreva assim mesmo, com inicial minúscula) é compositora e arranjadora de todas as suas músicas de trabalho. Acompanhada no palco apenas pelo músico João Vinicius e pelo computador, nana apresenta um repertório que mistura as influências da bossa nova, da chanson française e das texturas eletrônicas. No show, nana e João se revezam entre piano, teclado, cavaquinho e guitarra, acompanhados sempre de bases pré-editadas.

Então estamos combinados, vamos curar a ressaca do Feira Noise com duas revelações da música independente. Não tem jeito melhor, não é mesmo? 😉

Serviço:

O quê – Ressaca Feira Noise
Quando – 10/11 |21h30
Onde – Botekim Tematic Bar (Av. João Durval, 2963 – Ponto Central)
Valor – R$ 10 (ingressos na portaria do evento)

Políticas públicas, cultura e cenário artístico de Feira de Santana foram os temas discutidos na segunda mesa de debates do Feira Noise 2012
Padrão

Ciclo de debates e dança contemporânea compõe a terceira noite do Festival.

Políticas públicas, cultura e cenário artístico de Feira de Santana foram os temas discutidos na segunda mesa de debates do Feira Noise 2012

No último dia de mesas redondas, 31/10 com o tema: A (In) visibilidade das Políticas Públicas para Cultura em Feira de Santana, os debates e considerações abordaram a música alternativa e independente, definições de cultura, questões políticas e identitárias e a situação atual da cultura Feirense.

Compondo a mesa estavam presentes o músico e produtor cultural Fabrício Mota; o professor de Ciência Política da UEFS, Diego Carvalho e, o também professor, Jhonatas Monteiro. Num clima descontraído os convidados expuseram pontos de vista e compartilharam com o público seus conhecimentos e opiniões.

Ciclo de debates

Durante as discussões pudemos ver como Fabrício Mota relaciona a música e a cultura. Para ele, a música independente cresceu bastante expressando a liberdade e deve ser compreendida como um ofício para muitas pessoas. E completa que a música alternativa vive um novo momento com muita sonoridade e estética.

Já Diego Carvalho, também integrante do Feira Coletivo, afirma que em Feira de Santana falta espaços culturais constituídos e existe uma dificuldade em produzir música através das políticas públicas, pois há um monopólio. Para enfrentar isso, ele propõe uma cultura hegemônica que invista em todas as áreas culturais, invés de um sistema individualizado.

Ainda na mesa de debate, questionando o que seria invisibilidade, democratização política cultural e pública voltadas para a cultura, o professor Jhonatas Monteiro aborda as dificuldades encontradas em nossa cidade. Segundo ele, Feira de Santana precisa rediscutir os lugares de cultura, pensando as suas diferenças e reconhecendo-a como um campo de conflito, e ainda afirma que em Feira o espaço da arte não é representativo da cultura na cidade.

Soprocos Cia de Dança Contemporânea

Mais Festival

E pra encerrar a terceira noite do festival tivemos a apresentação da Sóprocos Cia de Dança Contemporânea. Com a performance intitulada Tela Viva inovou e surpreendeu o público com passos e coreografias inusitadas, trazendo sua versatilidade e personalidade.

Nos outros dias do festival teremos a presença de várias bandas e mais apresentações de dança, nos dias 02 e 03.11, que compõem a programação do Feira Noise 2012.